Um olho no peixe, outro no campo

  • Publicado em
  • Categoria

    Agronegócio

  • Oferecimento

“É preciso se preocupar muito com cuidar da terra, porque ela é orgânica e só vai responder bem com produtividade se for bem tratada. O mesmo acontece com o peixe e a água.” Esse é o pensamento de José Maria Bortoli, o Zeca, um dos Diretores da empresa que detém a maior produção de soja e algodão do mundo, além do maior consórcio lavoura-pecuária: o Grupo Bom Futuro, que está na ativa há 30 anos.

Ele e mais três empreendedores – Eraí Maggi Scheffer (conhecido como o ‘rei da soja’), Elusmar Maggi Scheffer e Fernando Maggi Scheffer – iniciaram uma grande história, recheada de muita vontade de trabalhar, que começou em uma pequena fazenda. “Nasci em meio à agricultura do Rio Grande do Sul, com seus vinhedos, macieiras e todo tipo de pomar. E sempre me vi motivado a buscar oportunidades diferentes, dentro da agricultura e fora dela”, relembra Zeca. Foi no Estado de Mato Grosso que a empresa foi instalada. “Ali haviam grandes áreas cultiváveis a um preço atrativo, que possibilitaram o aumento da escala”, comenta.

Antes de 1994, os grandes desafios estavam relacionados à infraestrutura e à instabilidade dos planos econômicos. Mas, com uma boa administração e transparência, logo o Grupo tornou-se uma potência produtiva no Estado, com atividades presentes em todas as regiões de Mato Grosso.

O segredo do sucesso do Grupo Bom Futuro apoia-se no plantio direto, na pesquisa de melhoramento genético das sementes, no recurso financeiro de longo prazo, na diversificação das culturas (com duas safras anuais devido ao regime de chuva na região), assim como na rotação e na integração lavoura-pecuária.

Este artigo está na edição 25 da Revista NT. Leia na íntegra aqui.

Acompanhe
Clique e compartilhe